sábado, 1 de maio de 2021

ANATOMIA POLIDA: ATLAS DOS NOSSOS MUNDOS P(OL)UÍDOS

 

José Ronaldo Siqueira é um carioca que reside em Mutum. Atlas anatômico para almas puídas é seu quarto livro (o segundo pela Editora Patuá). Também são seus os livros: O prisioneiro (2012); Historinha é o escambau! (2016); Manual não injuntivo de como criar um monstro (2018), também pela Patuá, foi finalista (3º lugar) no concurso da Biblioteca Nacional em 2019, na categoria romance.

 

Vamos deixar que o autor falar da sua obra, com seu jeito franco, nesta mini entrevista.

                                                                    CABEÇA


“Morri. Morro. Acordei. Acordei? Acho que sim. Mas como assim, acho, não tenho certeza se acordei? Como não ter certeza?"


MUTUM CULTURAL: Atlas anatômico para ideias puídas é um livro de contos. O que o leitor pode encontrar nas páginas da sua obra? Há um fio condutor que interliga os contos?

ZÉ RONALDO: Há. Mas no tocante ao motivo. O Atlas é um livro que versa sobre esperança/desesperança. Sabe aquela história de que no fundo do poço ainda há um alçapão, pois então, quanto mais nos afundamos no desespero e na falta de um vislumbre qualquer de lume, mais forte e crescente é, ao mesmo tempo, a sensação de que tudo ainda pode, de uma maneira que não imaginamos qual seja, dar certo. Essa desesperança acaba por, de certa forma, alimentando nossa esperança. O Atlas é o segundo livro de uma trilogia. O Manual foi o primeiro. O terceiro já está pronto. Talvez o lance ano que vem, ou espere um pouco mais.



                                            TRONCO


“Ah, disso eu tenho minhas dúvidas. Dissimulada e expert na chantagem emocional, como você sempre foi, não me admiraria...”



MUTUM CULTURAL: É seu segundo livro pela Patuá, uma editora bem conceituada no mercado editorial. A que você credita este feito?

ZÉ RONALDO: Olha, imagino que o que me possibilitou lançar novamente pelo selo da Patuá, tenha sido o fato de que o Manual ficou em 3º lugar no concurso da Biblioteca Nacional, que é um dos 5 concursos do grand slam da literatura nacional (Oceanos, Prêmio São Paulo, Jabuti, BN - Biblioteca Nacional - e Sesc - este último, só para autores ainda não publicados). Só vejo por aí. O livro anterior, o Manual, não vendeu muito pelo site (a Patuá não distribui os livros em livrarias, diz que não dá lucro para a editora, por isso opta apenas pela venda online, no próprio site da editora), foi só os que eu vendi no lançamento e alguns poucos depois. Sou melhor autor do que vendedor, hahahahahahahaha. 

                                                                        

                                                                     MEMBROS                                                              

“E se fugir? E se eu sair de casa? Será que esse bicho me segue? Será que vem atrás de mim? E se eu me escondesse em um bosque ou uma floresta, onde não houvesse paredes?"

 


MUTUM CULTURAL: Como o leitor pode adquirir sua obra?

ZÉ RONALDO: Como eu já disse, uma das formas de adquiri-lo é através do site da Editora Patuá, e, sempre tenho alguns comigo também, para quem quiser já tê-lo autografado, podem me encontrar no facebook .




NOTAS DO BLOG:

I) Estamos idealizando uma série de postagens intitulada por enquanto de Década Fértil: A produção literária de 2011-2020. Valorize os autores de Mutum. Somos destaque na região em termos de produção literária.

II) Como foi dito na mini entrevista, Atlas anatômico para almas puídas é o 2º livro de uma trilogia. Vamos aguardar o terceiro para podermos fazer uma postagem envolvendo toda trilogia.

sexta-feira, 23 de abril de 2021

VERSOS DA VIDA DE JOÃO PINTO DE MOURA

 


João Pinto de Moura é um daqueles poetas que não rompem o cordão umbilical com sua terra e com a cultura do seu povo. Seus versos, rimados, procuram contar histórias vivenciadas por ele. Chega a ser a epopeia de um mutuense que celebra suas vitórias com júbilo que as transmitem em cada estrofe da sua poesia de fácil compreensão e de profundas reminiscências que nos levam a viajar a através do tempo.
 
Pessoas e lugares que habitam a sua memória dão vida a seus poemas. É por isso que seu jeito de poetizar provoca saudades. Podemos pescar no amplo ribeirão do seu livro Histórias de uma vida em versos menção a fatos que servem de base para reconstruir histórias, como o grupo de adolescentes Atalaia. O livro de João Pinto de Moura também é um álbum de lembranças especiais da sua vida que trazem em segundo plano ambientes de tempos idos que ficaram aqui eternizados.
 
Como proposta da nossa série, abrimos nossa pentologia com Histórias de uma vida, o primeiro poema, como um prefácio do que vamos encontrar em cada página, e por último o poema Registrei para vocês, que serve de posfácio.
 
Os outros três poemas foram de difícil escolha. Quisemos representar a pluralidade de assuntos. Escolhermos Charola para lembrar uma das atividades culturais de cunho religioso que faz parte da sua realidade atual. Já A pracinha – igrejinha de São Sebastião nos trás uma parte da história do catolicismo em Mutum que nem todo mundo conhece.
 
Tia Juraci
é uma bela homenagem a uma pessoa que foi, para muitos, sinônimo de simpatia, serenidade e caridade. Acredito que João Pinto de Moura tem muito mais a falar de sua tia. Quem sabe em um próximo livro.
 
Antes de ter a oportunidade de publicar seu livro através da Lei Aldir Blanc (Lei Federal Nº 14.017/2020), seus poemas já foram objeto de leitura e comentário em uma das nossas sessões do Café Literário. Foi a única experiência que tivemos com escritores  ainda não publicado.
 
Vamos aos cinco poemas que escolhemos para esta pentalogia.









HISTÓRIAS DE MINHA VIDA

Vou contar para vocês
Não é tudo que passou
É, parte de minha história
Desde quanto começou
 
Eu nasci em um recanto
Num cantinho beira mata
Onde passei minha infância
No córrego Ponte Alta
 
Nossa casa era pequena
Mas era muito singela
Pra buscar água na bica
Atravessava uma pinguela
 
Construída de pau a pique
Amarrada de cipó
Com telhado de tabuinha
Bem pertinho da vovó
 
   

CHAROLA

Na música sou sertanejo
Também gosto da popular
Gosto muito da charola
Pra meus versos entoar
 
As histórias desses Santos
Escrevi com dedicação
Dois mártires da nossa igreja
Manoel e Sebastião
 
 

A PRACINHA – IGREJINHA DE SÃO SEBASTIÃO

A Praça Raul Soares
Me deixou muitas lembranças
Que hora em poeira ou barro
É onde brincavam as crianças
 
Onde hoje é o sindicato
Tenho grande recordação
É ali que existia
A igrejinha de São Sebastião
 
Tinha também um coreto
Em boa conservação
Onde ali o povo usava
Para arrematar o leilão
 
 
TIA JURACI
 
Falando em caridade
Lembro da Tia Juraci
Que fazia o bem a todos
E até esquecida de si
 
Ajudava o povo inteiro
A todos sem distinção
Se batiam em sua porta
Abria de coração
 
Acolhia as famílias
Os doentes do hospital
E também muitas gestantes
Pra ganhar o seu Natal
 
Quantas vezes em minha casa
Ela muito ajudava
Cuidando da sobrinha Celsa
Quando os meninos ganhava
 
Não tinha dia nem hora
Era até de madrugada
Só saía pra ir embora
Quando tudo se ajeitava
 
Acredito que teve no céu
Um cantinho reservado
Pois tudo de bom que fez
Lá foi bem recompensado
 
 
 
REGISTREI PARA VOCÊS
 
Eu contei para vocês
Não foi tudo que passou
Foi parte da minha vida
Desde quando começou
 
Um pouquinho de cada coisa
De tamanha gratidão
Dos amigos, do tempo passado
Coisas da recordação
 
Ao terminar estes versos
De verdadeira expressão
Que é parte do meu passado
Sinto alegria e emoção



PENTALOGIAS POÉTICAS


sábado, 10 de abril de 2021

O BIG BANG DE UM UNIVERSO MUSICAL


“Quando abri meus olhos, me encontrei perdido

No tempo e espaço, me demoro nortear “

 

A arte surge na cabeça do artista como um big bang. Uma ideia infinitamente minúscula, comprimida ao extremo, começa a pulsar. E quando menos se espera ela explode e se expande em poemas, narrativas, músicas, filmes.

Um videoclipe é um encontro de duas artes. De um lado a letra, os versos contando uma história, imaginada ou não, que ganha a beleza da melodia. Do outro o roteiro que vira movimento cristalizando em cenas o que a canção gostaria de dizer. Quando o encontro se expressa em um abraço fundindo música e cena em movimento o que temos sempre é arte bem legal de se apreciar.

O videoclipe da música Universo, interpretada por Vitor Lacerda e Maisa Santos, fruto da Lei Aldir Blanc, tem encantado pela canção em si e pelas imagens que traduzem a mensagem da letra. E como em um big bang, podemos estar diante do surgimento de um novo universo musical na cultura mutuense.



            Como o blog Mutum Cultural vem fazendo, registramos nesta postagem a realização deste produto e um bate papo com um dos autores, Vitor Lacerda.

           

- ENTREVISTA-

Como surgiu a ideia de um videoclipe para a música?

Fui contemplado na categoria de single musical + videoclipe, então sempre estive pensando em como seria o clipe enquanto estávamos gravando a música. Como a canção tem uma letra bem leve, pensamos em fazer algo leve no clipe, utilizando a própria natureza.



Sobre a música, é de sua composição?

É sim! A composição conta uma lembrança de amor, mas tem várias referências da física. Como sou estudante de física, isso não podia faltar! Termos como “tempo e espaço” fazem parte da composição, que é um Pop/Nova MPB.

 

Qual é o seu processo de criação? Você se inspira em algum artista?

Primeiramente escrevi a letra e depois compus a melodia. Nesse processo a letra sofreu algumas mudanças por conta da melodia escolhida, mas foi um processo bem natural. Minha principal inspiração e referência musical é o duo Anavitória. Estou sempre cantando músicas delas junto com a Maisa.

 

O videoclipe seguiu um roteiro elaborado previamente ou foi na base do “uma ideia na cabeça e uma câmera na mão”?

O videoclipe foi todo elaborado antes! Fizemos algumas reuniões com o Reinan Cardoso (diretor do clipe) para definir as cenas, as referências utilizadas, os elementos que iriam compor o clipe (como o colchão e o microfone), a paleta de cores e diversos outros detalhes.

Sobre a participação da Maisa Santos, o projeto foi concebido com ela antes de ser inscrito ou o convite veio depois?

Maisa e eu temos uma história muito unida e centrada na música. Apesar de sermos primos, nos conectamos fortemente participando da Banda Musical Mutuense. Sempre cantávamos juntos em qualquer situação, então quando eu soube da oportunidade da Lei Aldir Blanc, já falei logo com ela. Eu ainda tinha apenas a letra da música, então fomos construindo tudo juntos. Desde o princípio, antes de inscrever o projeto, já estávamos juntos concebendo a ideia.

 

Além deste projeto e do VÍDEO CURTO: TOUR CULTURAL: Espaços e Expressões culturais, mais projetos seu que foram aprovados?

Tive apenas esses dois projetos aprovados e fico bem feliz por eles serem muito parte de quem eu sou. No Tour Cultural, eu apresentei sobre expressões culturais que fazem parte da minha vivência. E na música e clipe de Universo, Maisa e eu mostramos nossa capacidade musical, com a presença de harmonias entre nossas vozes e também de instrumentos que tocamos, como o clarinete e a flauta transversal.

 

Há outros videoclipes a caminho?

No momento estamos focados na divulgação de Universo, mas já estamos planejando uma versão diferente da música com um novo videoclipe também!











MAIS MÚSICA NO MUTUM CULTURAL

JOÃO LUIZ

LÍVIA LACERDA

sexta-feira, 9 de abril de 2021

TONY MARQUES: DA ARCÁDIA AO MUNDO CONCISO E INFINITO DE BASHÔ

FONTE: https://greciantiga.org/

Segunda-feira o blog Mutum Cultural postou cinco poemas do poeta Tony Marques na nossa série Pentalogia Poética. Ele é mais um mutuense que se encantou com a arte mãe de todas as artes.

Agora trazemos uma entrevista que o poeta nos concedeu falando de si e do seu ofício com os versos. Ele também fala da sua relação com Mutum. 

Esta é a segunda postagem sobre Tony Marques de uma trilogia que concluiremos com seu estilo poético que tanto tem encantado, o Haikai.


 -ENTREVISTA-

Como surgiu seu interesse pela poesia?

Aos 12 anos de idade eu ingressei em um colégio interno em São Mateus-ES (Seminário Diocesano João XXIII) e lá dei início à minha vida de leitor. Meu gosto era mais pelos romances de aventura tipo: Robinson Crusoé (Daniel Defoe) Ilha do Tesouro (Robert Louis Stevenson) e outros. Com o passar do tempo, eu fui lendo mais e mais, me voltei pra literatura brasileira e comecei escrever pequenos poemas de forma despretensiosa. Até que certa vez participei de uma antologia e tive um poema editado, depois o segundo. Gostei, no entanto, parei de participar de antologias e fiquei escrevendo só pra exercitar mesmo, até que surgiram as redes sociais.

 

E sua predileção pelo Haicai?

O Haikai surgiu em minha vida de uma forma muito interessante: Eu estava fazendo meu TCC do Curso de Letras sobre o Arcadismo Brasileiro (Os Sonetos de Cláudio Manoel da Costa) e meu orientador disse que estava escrevendo uma dissertação de Doutorado sobre os Haikais do Paulo Leminski. Perguntei pra ele: O que é Haikai? Ele falou a respeito desse estilo poético japonês e acabei me interessando. Comecei estudar sobre os grandes mestres japoneses: Bashô, Buson, Issa Kobayashi e outros. Nesse meio tempo, surgiu um concurso de Haikais administrado pelo Grupo de Haicais Caminho das Águas de Santos-SP. O tema dos Haikais para o concurso era Quaresmeira. Fiz um Haikai e tamanha foi minha surpresa, quando um belo dia chegou a notificação que eu havia ficado em segundo lugar com o meu Haikai. Em um concurso nacional, o segundo lugar foi uma grande surpresa. A partir de então, além de continuar fazendo pequenos poemas, continuei fazendo Haikais que é um poema que não pode causar dificuldade de entendimento ao leitor e sucinto como eu gosto de fazer. Eu não consigo escrever de forma abstrata, como os grandes poetas.

 

Qual sua relação com Mutum?

Bom, Mutum é minha terra natal e é uma cidade que gosto muito, tenho vários amigos aí. Eu nasci no Distrito de Roseiral e saí de lá muito novo. Com 8 anos de idade, minha família mudou-se pra Barra de São Francisco-ES e por lá fiquei até os 16 anos, quando viemos morar em Belo Horizonte. Passei vários anos sem ir a Mutum, quando fui, já adulto, namorei e casei com uma mutuense, a Ana Maria. A partir de então, eu passei a ir a Mutum todos os meses. Meus sogros eram idosos e tínhamos que estar presentes. Atualmente, não vamos com muita frequência, mas Mutum está sempre presente em nossas vidas e temos um carinho muito grande pela cidade, pelos parentes de minha esposa e nossos amigos. Eu não tenho parentes em Mutum, meu avô era italiano e criou uma família diminuta, na região do Córrego do Vermelho.

 

 

Você tem obras publicadas?

Não, não tenho. Apesar de já ter tido um livro de Haikais engatilhado para ser publicado. Os entendimentos com a editora já estavam bem adiantados, mas aos poucos fui perdendo o incentivo e acabei por cancelar o projeto. Eu ia editar esse livro mais por incentivo de outras pessoas que por interesse próprio. Pra mim, o fato de publicar ou não é só um detalhe. Prefiro as redes sociais, acho mais democrático e mais acessível, qualquer pessoa pode entrar lá e ler meus poemas, cada curtida, cada comentário, cada compartilhamento pra quem escreve nas redes é muito importante. Isso, no entanto, não quer dizer que não acho legal as pessoas que gostam de publicar seus trabalhos. Fazendo uma autocrítica, eu acho minha poesia muito simples. Eu gosto mesmo, como já disse anteriormente, são dos poemas sucintos e de fácil entendimento como os Haikais, por exemplo.

 

Pretende publicar seus poemas?

 Outro dia, uma amiga de São Paulo, a Elke Lubitz, insistiu pra eu dar início a um projeto de edição, mas por hora eu não pretendo. Acredito que mais para o futuro eu até venha a publicar um livro de Haikais. Eu tenho um material bastante extenso e pra você selecionar 50 ou 60 poemas, eu tenho certa dificuldade. Mas não descarto essa possibilidade. Pode acontecer um dia.

 

Você consegue nas redes sociais um alcance considerável de leitores. Como você acha que as redes sociais podem ajudar a divulgar a arte?

Poema "pescado" no instagram do poeta.

Olha, eu vejo as redes sociais como uma grande lata de lixo, onde 90% de seu conteúdo não tem qualquer importância e os outros 10% algo de valor e que faz a diferença (esses 10%, apesar de representar pouco percentualmente, tem um conteúdo enorme). O que precisamos é saber reciclar e tirar o que as redes têm de melhor para nossa formação, para nosso crescimento. Eu não tenho qualquer preconceito dizer que sou um escritor de redes sociais. Costumo brincar que quando comecei escrever nas redes a cada nova postagem eu tinha em média 50 comentários, 80 curtidas e hoje não tenho nem 20% desses números, portanto, estou crescendo igual rabo de cavalo, pra baixo. O que não deixa de ser um crescimento. Na verdade, o fato de você atingir um público maior é muito interessante, você pode dialogar com seu leitor, respondendo os comentários e acaba criando até mesmo uma relação de amizade. Eu já tive oportunidade de encontrar pessoalmente alguns poucos seguidores e foi muito agradável poder conversar com eles. Nas redes sociais, filtrando bem, você encontra trabalhos muito bons.


LEIA TONY MARQUES EM:

FACEBOOK

INSTAGRAM


LEIA NO BLOG A PENTALOGIA DE TONY MARQUES

quarta-feira, 7 de abril de 2021

MUTUM TEM XOTE E TEM BAIÃO


 "Cada verso que eu canto 
tem a força de um baião, 
cada coco repicado 
bate no meu coração..."

Da música Mutum Preto


Com o intuito de deixar registrado o boom cultural em nossa Mutum iniciado ano passado com a viabilização da Lei Federal Aldir Blanc (Nº 14.071/2020) pela Secretaria Municipal de Cultura, sob a coordenação de César Tomé, que reverbera ainda na concretização dos projetos contemplados, muitos deles este ano, com apoio e acompanhamento da atual gestão, fazemos nesta postagem o registro do EP Tem xote e tem baião, de Lívia Lacerda 


LÍVIA LACERDA POR LÍVIA LACERDA

A música é uma harmonia de notas que mexe com a nossa alma. Eu venho de uma família de músicos, meu avô, por exemplo, comprou uma sanfona de segunda mão e tocava para os netos, inclusive foi a sanfona que usamos na gravação deste EP, e, assim, foi surgindo o gosto pela música. Hoje, em encontros de família, não podem faltar um violão, uma sanfona, um piano e muitas vozes.

Eu comecei a estudar música aos meus 6 anos e ao 10 ano fui  a cantar na matriz da minha cidade. Já aos 17 anos me formei em técnico em piano pelo Conservatório Brasileiro de Música localizado na cidade de Manhumirim.

Também comecei a pintar panos aos 11 anos de idade, sempre gostei de trabalhos manuais. Pintei muitos panos e, também, fui contemplada com mais dois projetos de pinturas em tecido pela Lei Aldir Blanc -  Pintura em tecido: “Uma rosa e seus detalhes” e “Arquitetura das igrejas católicas mutuenses” (Este se encontra no acervo cultural da Casa da Cultura da cidade de Mutum) . A capa do meu EP foi uma pintura feita por mim também.




"Hoje eu acordei mais cedo, 
abri a janela pra deixar o sol entrar
E a brisa leve sussurrou no meu ouvido: 
vida leve, leve a vida que levar..."

Da música Um dia tudo vai voltar


-UM BATE PAPO COM O BLOG-

O que te levou a produzir o EP Tem xote e tem baião?

A gravação deste EP foi um ponto importante em minha carreira como artista e, por meio da Lei Aldir Blanc, a possibilidade de realizar esse sonho.


Este é seu primeiro trabalho ou ele é precedido de outros?

O EP “Tem xote e tem baião” foi meu primeiro trabalho autoral e  também a primeira vez que utilizo meu nome como título principal de um trabalho cultural, todas as outras vezes utilizei o nome de Bandas que participai. As músicas foram compostas em parceria com meu irmão Rafael de Lacerda Moreira que também é músico multiinstrumentista.


"Sua força se esvaiu um dia, 
fez você esmorecer...
"

Da música Estrela guia

 

O que podemos encontrar no EP?

O EP “Tem xote e tem baião” tem a intenção de entregar um ritmo gostoso e que eu adoro cantar e dançar. O trabalho

conta histórias marcantes da minha vida como a música “Estrela Guia” uma homenagem à minha amada avó materna.  Na música “Um dia tudo vai” que nos faz refletir sobre a vida, a família e as pessoas queridas que encontramos no caminho. A canção “Me nota benzinho” é pra dançar bem juntinho, pois fala de amor de uma forma bem divertida. Já a música “Mutum Preto” conta a história da cidade de Mutum, lugar que fui criada e que tenho um grande carinho. Todas as músicas com ritmos de forró para todos poderem dançar e se divertir.


Qual foi a contribuição da Lei Aldir Blanc na realização deste projeto?

Primeiramente foi a parte do financeiro que me ajudou nos custos das gravações.  Também pelo fato de gerar e levantar a cultura da cidade de Mutum. O trabalho autoral gravado e mixado de forma profissional e divulgado nas ferramentas de streaming gera benefícios financeiros para os artistas da cidade, estúdios de gravação e da região também. Acredito que a proporção de um trabalho bem feito sempre leva o nome da cidade.


Você está idealizando ou trabalhando um próximo projeto musical?

Sim, mas é segredo ainda. Já tem uns rabiscos de letras de músicas novas sendo feitas, acompanhando sempre ao som da sanfona.

 



"Me nota, bem, me nota, eu juro eu quero te amar, 
passar a mão em teu cabelo e daí lascar o beijo 
enquanto o xote não para de tocar."

Da música Me nota Benzinho


PARA OUVIR O EP


NO YOUTUBE

NO SPOTIPY

 


 BLOG: VEJA TAMBÉM POSTAGEM SOBRE:EP: MOÇA de JOÃO LUIZ


  

 

 

segunda-feira, 5 de abril de 2021

VALE A PENA ESCUTAR

             

       O simples fato de ser um artista morador da nossa sonora Mutum, já é motivo de sobra para ouvir. Mas inspirado no título de uma canção do EP Moça de João Luiz, podemos afirmar com total convicção que vale a pena escutar.

Este produto cultural é mais uma realização de um dos nossos artistas oportunizado pela Lei Aldir Blanc (Lei Federal Nº 14.017/2020).  

João Luiz concedeu uma pequena entrevista ao Mutum Cultural em que fala do seu trabalho como artista.


AS MOÇAS DE JOÃO LUIZ

Como surgiu seu interesse pela música?

Quando fiz 10 anos meu pai começou a me ensinar a tocar vilão. Já na adolescência minha mãe me incentivava a escrever sobre as coisas que eu gostava ou não entendia. Juntando tudo isso, comecei a escrever minhas próprias letras pra poder cantar e tocar no violão.

O seu EP é composto de quais músicas?

Encalistrado, Vizinha de janela, É pra você, Vem ser meu amor, Será que vale a pena tentar? e Tudo pode acontecer.

 

Quem são os compositores?

Eu escrevi todas as letras.

 

Por que o título Moça?

Poderia ser Moças também. Foi uma tentativa de criar uma personagem para o EP, fazer dele uma história. Como cada música foi escrita em um momento diferente e as letras para pessoas diferentes, tentar fazer delas uma só seria mais interessante para a história do EP.

 

Qual foi o papel da Lei Aldir Blanco na realização do seu projeto?

Papel de único fomentador.

 

Você já tem outros trabalhos gravados?

Audíveis dois, Amor gourmet e Ela é real. Entretanto, tenho mais algumas composições que nunca tornei públicas.

 

Qual é o seu próximo projeto musical?

Ainda não tem data, estou tentando juntar algumas músicas pra montar outro EP. As músicas eu já tenho, preciso organizá-las de modo a fazer sentido como um álbum, ou seja, criar a história e buscar uma sonoridade coesa.

 


    A relação amorosa se faz presente na música de João Luiz como podemos ver em versos de músicas presentes no EP.

 

"... Eu podia ser seu namorado. Eu sei tudo dela porque a janela dela é a minha TV..."

Vizinha de janela

 

"... Vem ser meu amor. Vamos vencer, meu amor..."

Vem ser meu amor

 

"... Talvez você tenha até sentido o mesmo, mas acabou fugindo de medo ou faltou coragem de se permitir sentir algo novo..."

É pra você

 

    E como vale a pena escutar canções de letras bem elaboradas como Será que vale a pena tentar? (Participação de Ester Teixeira), o EP nos proporciona a uma viagem aos nossos momentos de timidez, paqueras, dúvidas e outras situações em que o coração nos imprime.


ESCUTE O EP


LINK PARA:

SPOTIFY


BLOG: VEJA TAMBÉM POSTAGEM SOBRE EP: TEM XOTE E TEM BAIÃO DE LÍVIA LACERDA

AS PÍLULAS POÉTICAS DE TONY MARQUES

 


 

            Tony Marques é mutuense que reside em Contagem-MG. Ele consegue em versos curtos sintetizar sua visão peculiar da natureza e da história. É um poeta que traz na retina uma visão pastoril, ainda que viva na urbanidade seus dias de garimpagem por aquilo que alimenta a alma humana. Mas tem nos dedos a capacidade de encapsular em números mínimos de versos o que captura daqueles detalhes que ainda nos encantam.

            Tony Marques usa as redes sociais, facebook e instagram, como meio para compartilhar conosco as suas criações. É assim que ele espalha suas pílulas poéticas para amenizar nossos temores nas tardes cinzas e nas noites de ventos uivantes.

POEMA I


    

POEMA II

POEMA III

POEMA IV


POEMA V




NOTA DO BLOG:  Entrevista com TONY MARQUES


OUTRAS PENTALOGIAS

OLÍVIO DE SOUZA ARAÚJO

FRANCISCO FAGUNDES

ITAJACI CORRÊA